750 anos de história

postado por Lotus / no comentários

Honzan ou Templo Mãe no Japão

O Shin Budismo foi fundado por Shinran Shonin (1173-1263) durante o período Kamakura, e em alguns séculos, a escola cresceu até chegar a ser uma das maiores e mais influentes do Budismo no Japão, uma posição que conserva até hoje. O templo Hongwanji é a matriz do Hongwanji do Shin Budismo (Jodo Shinshu Hongwanji-ha), e é conhecido como Nishi ou Hongwanji do Oeste.

O Templo de Brasília está vinculado à Comunidade Budista Sul-Americana Jodo Shinshu Honpa Hongwanji (www.terrapura.org.br)

Hoje, o Hongwanji é o templo principal de mais de dez mil templos no Japão e de cerca  de duzentos templos em todo o mundo.

Origens

  

Mausoléu Otani

O Hongwanji se desenvolveu a partir de um templo construído onde estava o mausoléu de Shinran Shonin. Com sua morte, seus restos cremados foram enterrados em Otani, nas colinas a leste de Kyoto, e o local foi marcado por um obelisco simples de pedra.

Muitos seguidores vieram para lhe prestar homenagem, especialmente da região distante de Kanto (a área de Tokyo de hoje) Em 1272, com o apoio destes seguidores, a filha de Shinran, Kakushinni, trasladou as cinzas de seu pai para o sítio de sua residência em Yoshimizu, um pouco mais ao norte. Neste lugar, construiu-se uma capela hexagonal, onde uma imagem de Shinran foi entronizada.

Muitos anos depois, com a morte do esposo, o título da propriedade passou a Kakushinni, o que lhe permitiu determinar o futuro da capela. Assim, em 1277, ela dedicou sua propriedade ao movimento Shin, como um mausoléu permanente, para que ficasse sob os cuidados de uma pessoa da linhagem de Shinran. A capela e a propriedade ficaram conhecidas como o Mausoléu Otani (Otani Byodo), e este era sustentado pelos seguidores na área de Kanto.

O primeiro intendente do mausoléu foi Kakue, filho de Kakushinni, que em 1310, foi sucedido por seu filho, Kakunyo.  Kakunyo aumentou o prestígio do mausoléu ao obter seu reconhecimento como templo e, além disso, se empenhou para que o mausoléu se tornasse o centro do movimento Shin. Foi ele quem adotou o nome de Hongwanji (Templo do Voto Original).

Em 1336, o Mausoléu Otani incendiou-se durante a guerra entre Ashikaga Takauji e o Emperador Godaigo. Kakunyo o reconstruiu, não como uma capela hexagonal, mas sim, como um templo padrão. Nas gerações subseqüentes, o Hongwanji se desenvolveu até adquirir sua forma atual, com dois edifícios, o do Fundador e o do Buda Amida. No entanto, facções foram criadas entre os seguidores, e a maioria das dez seitas Shin surgiu neste período, em torno de templos centrais em várias partes do país. Foi somente na época de Rennyo que o Hongwanji se tornou independente da escola Tendai e passou a ser o centro da tradição Shin.

 

 

Rennyo Shonin (1415-1499)

  

Sob a orientação de Rennyo, o líder da oitava geração, o Hongwanji
cresceu notavelmente. Depois de assumir a posição de chefe do Hongwanji (atualmente se chama Monshu), Rennyo teve grande sucesso na difusão do ensinamento às províncias próximas, comunicando o ensinamento com linguagem poderosa e coloquial, especialmente através de cartas (Gobunsho).

No entanto, o crescimento da influência do Hongwanji em Omi (Província de Shiga) provocou a ira do templo Tendai no Monte Hiei, que tradicionalmente considerava esta uma área sob sua jurisdição. Em 1465, monges guerreiros do Monte Hiei atacaram o Hongwanji repentinamente e destruíram vários edifícios, o que forçou Rennyo a se evadir.

Em 1471, depois de Omi ter sido ocupado por um daimyo (senhor feudal) hostil, Rennyo se estabeleceu em Yoshizaki, Echizen (Prefeitura de Fukui). Ali sua reputação de grande líder religioso se espalhou, e ele começou a atrair milhares de seguidores. Os templos afiliados ao Hongwanji em Echizen e nas áreas vizinhas se tornaram um poder político, e numa época em que eram travadas lutas constantes entre os daimyos, surgiram forças que procuraram usar a força do Hongwanji militarmente ou estender sua influência mediante alianças políticas.

Vendo seu movimento ficar emaranhado em lutas violentas e sem poder refrear  seus seguidores, Rennyo optou por se retirar. Em 1474, voltou à área de Osaka, e em 1478 selecionou Yamashina, nas cercanias de Kyoto, como o local para a construção de um complexo magnífico de templo, que foi concluído em cinco anos.  Quando tinha setenta e quatro anos, Rennyo se retirou como Monshu, mas continuou sua atividade de propagar seu ensinamento.

Aos oitenta e dois anos, estabeleceu um templo em Ishiyama, na Baía de Osaka, que reconheceu, por seu intenso tráfico fluvial, como um lugar ideal para a propagação. A aldeia, que iria crescer até se tornar a cidade de Osaka, rapidamente se formou ao redor do templo. Quando Rennyo faleceu em 1499, aos oitenta e cinco anos, o pequeno templo de Kyoto da sua juventude tinha se transformado numa poderosa instituição religiosa.

 

Hongwanji de Ishiyama

  

O século que se seguiu à morte de Rennyo foi marcado por turbulência e mudança significativas tanto para o país como para o Hongwanji. O período de 1482 a 1558 é conhecido como a idade de “o país em guerra” e é caracterizado por guerras incessantes e alianças mutáveis entre os senhores feudais de todo o Japão. No início deste período, os seguidores do Shin em Echizen e na vizinha Kaga se insurgiram para dominar virtualmente essas províncias e, durante um século, o Hongwanji permaneceu como obstáculo para as ambições dos senhores guerreiros que pretendiam dominar todo o país.

Em 1532, o Hongwanji de Yamashina foi atacado e queimado completamente pelo daimyo de Omi, Rokkaku, e seguidores da escola de Nichiren. O templo foi deslocado para Ishiyama, onde, situado num monte elevado e rodeado por vias aquáticas, ocupava uma posição estratégica de grande força. Ali se encontra atualmente o Castelo de Osaka. A influência do Hongwanji foi aumentando na área.

A partir de meados do século XVI, o senhor guerreiro Oda Nobunaga emergiu como um dos lideres militares mais poderosos, e seu impulso de controlar o país, o levou a entrar em conflito com o Hongwanji. Em 1580, depois de onze anos de ação militar contra o Hongwanji de lshiyama, não conseguindo lograr sua capitulação, Nobunaga solicitou a intercessão do imperador Ogimachi, que atuou como mediador para a evacuação de Ishiyama. O décimo primeiro Monshu, Kennyo, transferiu o Hongwanji para Saginomori na província de Wakayama e depois para Kaizuka e Temma em Osaka de hoje.


Câmaras de Shiro Shoin – Tesouro Nacional do Japão

Retorno a Kyoto

  

Provavelmente, transferiram-se algumas construções, incluindo o Pavilhão da Nuvem Volante, a porta cerimonial e a Câmara das Ondas, por volta deste tempo. Os edifícios principais, porém, foram destruídos na ocasião do grande terremoto de 1596. Logo sua reconstrução se empreendeu, mas, em 1617, um incêndio arrasou o recinto. As obras que estavam quase terminadas foram consumidas pelo fogo. Sob a direção de Junnyo e de seu sucessor, Ryonyo, foram construídos muitos dos componentes do complexo atual. Alguns têm sido reconhecidos como Tesouros Nacionais e Patrimônios Culturais importantes, o que prova a contínua criatividade e vitalidade do Hongwanji. Em 1994, o recinto completo do Hongwanji foi designado como Patrimônio Cultural do Mundo pela UNESCO.

Junnyo construiu o Edifício de Amida, a câmara principal de audiência e o complexo Shiro Shoin. A reconstrução do Edifício permanente do Fundador foi empreendida por Ryonyo, que adicionalmente construiu as câmaras de Kuro Shoin e o Meichodo no Mausoléu Otani.

Durante este período, a organização do templo Hongwanji se estabeleceu firmemente de acordo com as políticas do governo Tokugawa, demandando estruturas internas hierárquicas e um grêmio fixo do templo. Além disso, os fomentos oficiais para a formulação de ensinamentos doutrinais levaram à criação de uma organização para o estudo acadêmico, que se tornaria a Universidade Ryukoku, uma das instituições de ensino superior mais antigas no Japão.

 

Além das Fronteiras Nacionais

  

Com a Reforma Meiji, em 1868, o Japão entrou num período de modernização acelerada, mas este foi também um tempo de crise. O novo governo adotou uma atitude fortemente antagônica ao budismo e surgiu um movimento para sua erradicação e para promover a ascensão do xintoísmo em todo o Japão. Foi precisamente neste tempo que o vigésimo primeiro Monshu, Myonyo, assumiu seu cargo.

Myonyo foi enérgico na proteção da liberdade religiosa e sua luta para manter as atividades do templo fora do controle estatal teve êxito. Para promover a tradição Shin, já em 1872, começou a enviar conselheiros e estudantes ao estrangeiro para investigar o pensamento e as práticas religiosas em todo o mundo. Em 1888, em resposta ao interesse de budistas pela Europa e América, o Hongwanji publicou um periódico em inglês, e também relatórios em japonês altamente apreciados sobre as condições da religião no estrangeiro. .

Em casa, Myonyo aboliu a hierarquia rígida de templos subsidiários e envolveu os templos locais espalhados por todo o país no governo, direto do Hongwanji. Ele também construiu escolas, orfanatos e outras instituições de assistência social e criou um programa de capelanias (cargo e ofício de capelão) para militares e prisioneiros. E, a partir de  1897, o Hongwanji iniciou o envio de ministros oficiais para  fundar templos para os imigrantes japoneses no Havaí e no continente dos Estados Unidos.

Em 1903, Myonyo foi sucedido por Kyonyo (Ohtani Kozui), que continuou a estender a visão e alcance das atividades do Hongwanji. Particularmente, Kyonyo é conhecido pelas expedições Otani aos sítios budistas na Ásia central, em que se recuperaram muitos textos e artefatos dos desertos  pelos quais o budismo foi transmitido  ao Japão pelo Caminho da Seda.

As missões Shin na Europa começaram depois que o vigésimo terceiro Monshu, Ohtani Kosho, fez uma viagem em 1954. Hoje, o Hongwanji é o templo principal de mais de dez mil templos no Japão e de cerca de duzentos templos em todo o mundo.

(fonte: Comunidade Budista Sul Americana – www.terrapura.org.br )