Sutras

postado por Lotus / no comentários

As três escrituras mais importantes da Terra Pura são:

  1. O Sutra do Buda da Vida Infinita ou Sutra Maior
  2. O Sutra Visualização do Buda da Vida Infinita ou Sutra da Contemplação
  3. O Sutra do Buda Amitayus ou Sutra Menor

Os três sutras foram escolhidos por Honen, do Japão (1133-1212) e são chamados de Três Sutras da Terra Pura. Atualmente há muitos outras sutras e discursos que mencionam Amithaba e sua Terra da Felicidade. De acordo com um estudo recente, o número total de tais escrituras no Cânone Budista Chinês é de 290. (Fonte: Hisao Inagaki, The Three Pure Land Sutras, Nagata Bunshodo, 1995, p. 3)

 

Sutra do Buda da Vida Infinita ou Sutra Maior

 

Em 252 dc, durante a dinastia Wei.

É a mais longa e importante das três escrituras canônicas do Shin Budismo da Terra Pura, chamada de Sukhavativyuha Sutra em sânscrito.

A história do Buda Amida é narrada no Sutra Sutra Maior do Buda da Vida Imensurável (Amitayus) e da Luz Infinita (Amithaba). Como o Buda Sakyamuni que se apresentou na história real da Índia, o Buda Amida era um príncipe em uma terra incerta que também abandonou o trono para seguir os passos do Buda Lokesvararaja, para tornar-se um monge chamado Dharmakara, “O Tesouro do Dharma”. Durante incontáveis eras de determinação, reflexão e prática, Dharmakara trilhou 48 Votos para beneficiar todos os seres. Em cada Voto, Dharmakara declara que só alcançaria a suprema e perfeita iluminação se todos os seres também se iluminassem. A forma do Voto revela a visão essencial do bodisatva na qual o benefício próprio é inseparável do benefício de todos os seres.

Leia o Sutra Maior

 

Sutra da Contemplação

 

424-453dc, China

Atualmente não se conhece uma versão completa, no original em sânscrito, do Sutra da Contemplação sobre a Vida Imensurável do Buda. Diz-se que foram feitas três traduções para o chinês, mas hoje tudo o que temos é uma tradução feita por Kalayasas durante a dinastia Liu-Sung (424-453dc).

Quando Buda Sakyamuni estava no Pico do Abutre fazendo o discurso que mais tarde ficou conhecido como o Sutra de Lótus, ocorreu o que hoje é conhecida como a “tragédia em Rajagriha”. O Sutra da Contemplação é baseado nesta tragédia.

A Rainha Vaidehi havia sido presa dentro da muralha de Rajagriha por seu filho, o príncipe Ajatasatru. Em resposta ao pedido dela, o Buda Sakyamuni lhe descreveu 16 contemplações do Buda Amida e sua Terra Pura.
Ananda estava lá quando o Buda Sakyamuni fez o discurso desse Darma. Ele ficou tão comovido que, ao retornar ao Pico do Abutre, contou a história da tragédia em Rajagriha para aqueles que estavam cansados de tanto esperá-lo.

É por isso que o Sutra da Contemplação é muitas vezes referido como o “sutra dado em dois lugares diferentes e sintetiza dezesseis formas de prática meditativa que levam à libertação e liberdade.

Leia o Sutra da Contemplação 

 

Sutra do Amida ou Sutra Menor

 

402 dC, durante a dinastia Yao-Ch’in

O Sutra do Amida – que em japonês é “Amidakyo”, também conhecido como o “Sutra Menor” – é um sutra extremamente curto. Além de uma versão em sânscrito, existem atualmente duas traduções para o chinês: o “Sutra do Amida”, traduzido por Kumarajiva (344-413 dC), durante a dinastia Yao-Ch’in; e o “Sutra em Louvor à Terra Pura”, traduzido por Hsuan-Tsang (600-664 dC), durante a dinastia T’ang. Shinran baseou-se na tradução de Kumarajiva.

O Sutra do Amida não foi proferido em resposta a uma pergunta, como tradicionalmente ocorria, mas, sim, foi uma fala do Buda Sakyamuni dirigido especificamente a Shariputra. Por essa razão, é referido como o “sutra não proferido em resposta a uma pergunta”, mas um depoimento pessoal do Buda Sakyamuni.

O Sutra do Amida é uma escritura mais curta que apresenta a indescritível beleza da Terra Pura numa imagética fantástica que simboliza o estado da suprema iluminação.

Leia o Sutra Menor