Por quem os sinos dobram

postado por Cris / no comentários

Convite do Monge Sato à Comunidade de Brasília

 

Passado o Natal com o significado que cada um pôde dar e receber, sejam todos bem-vindos ao Templo para as 108 Badaladas da Virada do Ano.  Traga algo para a ceia comum e convide familiares, amigos, vizinhos!  Começa às 21 horas com meditação especial e muita alegria.  É de graça, a graça incondicional do Buda!

Normalmente essas badaladas simbolizam as esperanças que se renovam, a partir da reflexão consciente do ano que está findando.  Este ano soarão diferentes pois muita coisa ocorreu ao redor da gente, afetando a nossa mente tranquila e influindo sobre a mente confiante de todos quanto ao futuro imediato.

O tema da meditação na Virada é: o que é correto?

Isto porque o budismo propõe o Caminho Óctuplo da Correção para dar sentido à vida, tomando consciência da própria visão, pensamento, palavra, ação, modo de ser, atenção, concentração e esforço.  É a consciência como poder de superação do sofrimento sucessivo, é crescimento e libertação.

Assim, como monge que fez o voto de pregação das três joias budistas, Buda, Darma e Sanga, tenho meditado sempre sobre o que é correto para poder propô-lo.

É o Buda que viveu há 2.500 anos como exemplo inapagável de humanidade. É o Darma como seu ponto de vista e pedagogia, sempre atualizado por muitos pensadores e ativistas ao longo de diversas formações históricas até atingirmos a etapa atual do capitalismo.  É a Sanga como a busca da excelência coletiva nesta formação social contemporânea.

No dicionário digital encontrei 41 sinônimos de correto classificados em quatro categorias: (1) correto é sem erros; (2) são erros que foram corrigidos; (3) é estar adequado às circunstâncias; (4) é exercitar boas qualidades.

Assim, ser correto é procurar não errar muito, sendo honesto, preciso e justo, o que requer consciência da própria ignorância como não pecaminosa, não se envergonhar da própria condição humana.  É a autoconsciência para estar sempre se aperfeiçoando, corrigindo, retificando.  É também a consciência crítica das condições circundantes pois a nossa ação inercial tende a buscar conforto no conveniente, no adequado, no conforme às circunstâncias.  Não é levar vantagem em tudo, esquecendo de ser correto em si e por si nas qualidades como dignidade, honradez e decência para o bem próprio e de todos, além de buscar a pureza do esmerado, elegante e belo.

Bem, ninguém é perfeito, até porque as condições em que vivemos são impuras para o exercício da correção.  No Shin-Budismo falamos em Terra Pura do Buda Amida que transcende a noção de tempo e de espaço e se refere ao estado de espírito aberto para receber a Luz do Buda da Sabedoria e Compaixão que acompanha as nossas decisões e escolhas no cotidiano.  É a busca da Mente Tranquila e Mente Confiante.

Por quem os sinos dobram?  Não deve ser só para mim, disse Ernest Hemingway que lutou na Guerra Civil Espanhola.

Para maiores informações sobre o evento, visite nosso post aqui.