Primeiro de abril e a Liberdade Religiosa

postado por Cris / 2 comentários

liberdadereligiosa

 

O Monge Sato, do Templo Shin Budista de Brasília, apóia a Comissão de Liberdade Religiosa da OAB/DF

 

Como integrante da Iniciativa das Religiões Unidas (URI), liderada pelo querido Elianido Nascimento, o Templo Budista de Brasília confirma e reforça o apoio desse movimento à Comissão de Liberdade Religiosa da OAB/DF em tão nobre tarefa.  Gostaria de acrescentar que orgulho-me de pertencer a esta categoria profissional.

Também em nome pessoal, quero lembrar o simbolismo que o dia de hoje – Primeiro de Abril – representa para o povo brasileiro em nome da garantia da Liberdade, coibição da Intolerância e preservação do Estado equânime no exercício da democracia.

Embora legítimo brasileiro nascido no Brasil, sofri discriminação na infância, sendo perseguido nas ruas como “japonesinho” que veio de um país inimigo por ocasião da Segunda Grande Guerra.  Já adulto, a implantação da Ditadura Militar em 1964 me obrigou a buscar exilio no Chile, abandonando a livre função de professor que exercia na USP e no posterior retorno ao Brasil causado por outro golpe que derrubou o governo democrático de Allende, o regime de força ainda vigente no País me prendeu, me torturou e tive meus dois filhos sequestrados na Bahia.

Hoje, como monge budista, sou contra qualquer tipo de intolerância, que seja religiosa, cultural, politica, econômica, étnica, de gênero.  Muitas vezes essa intolerância que toma a forma da violência é fruto da ignorância a que todos nós – religiosos, leigos, políticos e o próprio Estado – temos a obrigação de debelá-la pela raiz.

Que essa iniciativa seja para o Bem de todos.  Acredito nisso.

Monge Shôjo Sato.